Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sílabas à Solta

Qualquer reprodução dos meus conteúdos deve ser sempre feita com referência à minha autoria | Fotos retiradas da internet

Sílabas à Solta

Qualquer reprodução dos meus conteúdos deve ser sempre feita com referência à minha autoria | Fotos retiradas da internet

NAQUELE TEMPO

21.12.20 | Sandra

3202707_S.jpg

Era um antigo bar, numa rua desconhecida e recatada. Restrito, ninguém falava dele. Num palco pequeno, tocava sempre a mesma banda, com os mesmos fatos, os mesmos instrumentos. Havia um cheiro típico no ar, que lembrava tudo e nada. Parecia trazer algo de misterioso, vindo do primeiro início do mundo.

Eu sentava-me sempre no mesmo lugar. De lá, conseguia abarcar a sala por inteiro: o palco, o balcão, as plantas espalhadas pelo espaço e a porta da rua. As mesas estavam sempre ocupadas por boémias gentes de velhos hábitos. Risos, conversas baixas, subtilezas e discretos sinais à fraca luz. Por vezes as pessoas calavam-se e olhavam todas para o palco, quando um acorde mais forte cortava o ar logo abaixo do teto de madeira envernizada. Havia sempre a certeza de que a música era só o nosso princípio.

A banda fazia um intervalo e as conversas subiam de tom. Sorrisos, promessas, caprichos, brindes, arrastar de cadeiras. Quando a banda regressava ao palco e aos seus instrumentos, o público calava-se numa espécie de respeito, homenagem, por aqueles músicos sem idade, vindos ninguém sabia de onde. Alguns clientes levantavam-se para dançar. Horas esquecidas naquele lugar que atravessava épocas ignorando o passar das modas. O ar tornava-se mais denso e a música mais frenética. Jazz, blues, soul. Às vezes, reggae. Perto do final da noite, eu costumava ir até ao alpendre, onde lanternas coloridas estavam penduradas e cadeiras vazias olhavam o jardim selvagem em frente. Para lá do jardim, a praia. A música, misturada com os cheiros que a maré vazia trazia, parecia agora muito distante. Vozes de fantasmas cansados...

Na noite que cedia à claridade da madrugada, o desfecho era conhecido: o bar ficaria vazio de tanto e de tudo, as portas fechar-se-iam, o tempo iria vadiar vagabundo pelas esquinas perdidas. Tu não estavas lá, nunca te encontrei nessas noites marginais, naquele espaço imerso em histórias de todos os tempos e onde todos se conheciam. Nada de novo, nem os segredos.

Chegava a hora. As pessoas saíam então num silêncio arrastado, contido, umas para o jardim, outras para a praia. E outras, como o banda, para algum lugar jamais descoberto, como se se desvanecessem no ar. Perto, os plátanos continuavam o seu doce dormir no nevoeiro que os vestia, alheios à noite que tinha passado. Parecia ficar também ele, o bar, a dormir, ar cansado, abandonado, como se nunca tivesse existido, nem a sua banda, até uma qualquer outra noite em que as portas seriam de novo abertas. Que não se sabia quando seria. Esse era outro dos seus mistérios...

28 comentários

Comentar post

Pág. 1/2