Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sílabas à Solta

Textos de minha autoria. Imagens retiradas da internet. Qualquer reprodução dos meus conteúdos deve ser sempre feita com referência à minha autoria.

Sílabas à Solta

Textos de minha autoria. Imagens retiradas da internet. Qualquer reprodução dos meus conteúdos deve ser sempre feita com referência à minha autoria.

BALANÇO FEITO

19.08.20 | Sandra

2910948_S.jpgAs minhas férias estão na sua reta final. Encontro-me naquele estado de alma em que me lembro constantemente que podia (e devia) ter aproveitado mais. Sinto que, de novo, falhei. Criei, atempadamente para esta altura, uma lista de "coisas a fazer" que tencionava cumprir religiosamente. Mas as únicas coisas que cumpri, e que não se enquadravam na lista, foram os afazeres domésticos. Claro que tive momentos agradáveis e de descanso, mas, ainda assim, nada daquilo que planeava ter feito ou que escapasse à minha rotina foi cumprido. Por isso, esses tais momentos não contam.

Convenço-me, aos poucos, que se calhar não falhei de todo. Fui eu por inteira, em concordância com o que sou. Agora, férias terminadas, voltarei a ser de novo aquela pessoa que, mesmo parecendo alegre e ativa, estará em constante sentido de alerta, analisando atentamente as possibilidades e impossibilidades desta vida, focada nas minhas tarefas, no bem-estar daqueles que amo, e tentado sempre manter-me confiante. O regresso ao trabalho faz-me refletir nas minhas qualidades e defeitos, nas minhas forças e fraquezas, nas minhas limitações e poderes. Reconheço que sempre existirão vitórias, receios, cansaços, alegrias, ansiedades, desafios e celebrações, tudo determinado por algo que nos torna pequeninos ou gigantes. Contudo, tenho ainda a minha fé, o meu Deus e o meu poder de acreditar.

Agora alguns miúdos brincam na rua, as suas vozes altas e agudas, pautadas por risos, misturam-se ao ladrar dos cães que correm atrás da bola. A hora avança. A minha respiração está mais leve e pausada, sinto o meu corpo fresco e, imersa no jogo de luz-sombra que me acolhe, estou serena, tranquila. Decido ir fazer um café e, com essa bebida que evoca o exótico, fazer mentalmente um brinde em jeito de agradecimento:

" - Foi apenas mais um dia normal. Obrigada meu Deus, obrigada!".

15 comentários

Comentar post