Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sílabas à Solta

POESIA | PROSA POÉTICA

Sílabas à Solta

POESIA | PROSA POÉTICA

Balouço

13.02.21 | Sandra

1840538_S.jpg

No sol adocicado da tarde transparente, enquanto as horas se fazem gentis, plenas e agrestes, balouço-me sem pensar no sentido do tempo ou do espaço.
Balouço-me, e no meu embalo balançam-se também sorrisos, abraços, promessas, palavras silvestres como cartas ao vento.

Subo ao alto destemida e tão alto estou que atiro ao azul celeste todos os meus sonhos feitos de brisas e buscas de tanto! Já é tempo de sonhos novos!
(Acompanhas-me?)

Abranda agora o balouço. Numa luta ganha contra a gravidade, paro uns instantes perto de um céu inerte, indiferente a mim, e depois desço vertiginosamente. Rasgo segundos a uma velocidade tal que sou gaivota a mergulhar no mar da tua poesia que acelera a respiração e destapa a alma.

E assim me disperso sem mais nada em que pensar, bandeira de cores ao vento, vela enfunada naquele constante balouçar que não determina quem sou! Apenas me balouço livre e grata na paisagem circundante que, ingénua, se balança comigo. E sinto-me bem.

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.