Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sílabas à Solta

POESIA | PROSA POÉTICA

Sílabas à Solta

POESIA | PROSA POÉTICA

Caminhante

13.11.22 | Sandra

px-downloadg423b9c8aeafcf350d92799cfaedcfd4c842db2

Tu sabias o tempo, os passos e os compassos de espera. Não era à toa que manhãs autênticas desciam a encosta da Serra que escorregava até ao teu mar, e sombras se revezavam com musgos e ervas agrestes quando os teus passos rompiam caminhos - só para te saberem ali tão perto.
Enquanto avançavas no tempo decifravas todos os humores que carregavas nos teus bolsos, junto com viagens mundo fora neste mundo louco, tua pertença, onde tudo foi teu. Faltou-te a lua, e só a lua.

No instante de um dia deixaste para trás o inevitável junto com mar e serra. Ponto cardeal: desconhecido. A incógnita.

Por ora estás longe, até de ti próprio. Mas nessa distância que se fez obrigatória, talvez os teus bolsos estejam agora mais leves e caibam neles o teu lado mais humano. Ou divino. Puro. Quem sabe ainda te venhas a espantar com a simplicidade daquelas coisas que atraem a alma com uma força tão poderosa quanto a da gravidade ou do magnetismo. Acho que por essa altura novos caminhos virão a descobrir-te neles, para neles tudo ganhar sentido, até seres tu o teu próprio sentido.
Tens uma força aparentemente adormecida, a força cinética. Usa-a, ela levar-te-á onde precisas de ir. Afinal, tudo (de bom) vem aquele que se movimenta enquanto espera. Encontra-te, para que eu te possa encontrar também. E depois, ama-me.

24 comentários

Comentar post

Pág. 1/2