Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sílabas à Solta

Textos de minha autoria. Imagens retiradas da internet. Qualquer reprodução dos meus conteúdos deve ser sempre feita com referência à minha autoria.

Sílabas à Solta

Textos de minha autoria. Imagens retiradas da internet. Qualquer reprodução dos meus conteúdos deve ser sempre feita com referência à minha autoria.

COISAS DE GATO

03.10.20 | Sandra

551554_S.jpg

O dia há muito que findou. A casa está adormecida na noite alta. Na hora tardia, o gato persegue silencioso ideias vagabundas por corredores longos e mal iluminados. O felpudo dos tapetes abafa qualquer som que as suas patinhas possam fazer. É um gato comum, não é famoso nem vaidoso. Já acumulou vasta dose de vivências e histórias, tem agora idade para roupão, cigarrilha e gin. O gato para, olha a parede, estático. Sentido de alerta. Tranquiliza-se dos seus pressentimentos e entra na grande e escura divisão de soalho velho de madeira envernizada.
Seguindo o habitual, senta-se fofo no parapeito de madeira cheio de marcas e desenhos gravados ali por algum canivete. Permanece nesse recanto até acolher a manhã nos seus bigodes altivos. Está onde quer, deitado na janela devassa - e naquela janela critica quem passa. Mas hoje o gato tem um olhar diferente. Não liga a carros nem a gente, nem aos pardais farfalhudos que saltitam entre a erva orvalhada.
O gato medita! Sabe que a política vai mal, como tudo aliás. De olhar cerrado arma-se em doutor: Faz da janela, assembleia, finge um semblante sinistro, e na sua triste ideia, é ministro que defende medidas e orçamentos! Acalmado do seu longo debate a um só miar, deita-se cansado e pesado no parapeito quente, a torrar com o sol da tarde que entra pelo vidro da janela. Medita de novo, o gato felpudo! Avalia dores e amores, penhora receitas, elabora teorias da conspiração e critica literatura, tece duros julgamentos à sociedade: "Nada vale! Nada presta! Nada serve! Diabólico mundo, este!"
Está louco, o gato!

Mas inevitavelmente a noite vem! O gato cansa-se enfim da janela. Folha de jornal debaixo do braço, troca a loucura da vida pela sua condição de patudo, e recolhe-se à sua manta velha, sensata e querida. Aconchega-se, e a ronronar pieguices adormece feliz!

29 comentários

Comentar post

Pág. 1/2