Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sílabas à Solta

POESIA | PROSA POÉTICA

Sílabas à Solta

POESIA | PROSA POÉTICA

Confundes-me

27.08.20 | Sandra

1745173_M.jpg

Confundes-me. Não sei como avaliar o que sinto. O que me fazes sentir. Os alicerces que construí como certezas, tremem já. Convicções começam a ceder. O que eu tinha estipulado como definitivo, aos poucos enche-se de fendas como uma parede rachada pronta a ruir. Por ti. Para ti. Mas confundes-me.

De novo, tudo aquilo de que eu me resguardava: as incertezas, os pontos de interrogação, as frases inacabadas, os "E se?". Reticências. Artigos indefinidos. Eu não queria um amor. Senhora do meu nariz, não estava nos meus planos abdicar do que demoliste em mim. Não queria de novo o sonho, a saudade, a expetativa, a dúvida, o querer e a raiva.

Mas alguma vez tinha que ser, não é? Tinha que, vindo sei lá de que outros mundos e de que outros tempos, surgir alguém para remexer os meus sentimentos, a minha tranquila essência, as minhas cálidas certezas. Tinhas que chegar, não é? Eu sei, não se pode caminhar longe do amor por muito tempo, mas eu não queria sentir o que sinto porque tu confundes-me.

Em ti, não distingo ainda o que é real entre todo esse sentir que vem no silêncio da noite. Receio cada letra que tímida te entrego, ignorante quanto às expetativas dessa alma tua que é toda ela sentimento. Poderia pedir-te que não te precipites quando, em jeito de confissão, me dou? Poderia eu pedir-te que fales comigo se alguma dúvida houver? Farias isso? Combinado? Diz que sim...

Sei que te esqueces de que ainda não sei ligar sílabas à solta e escrever preto no branco. Sei que te esqueces que ainda não sei falar de amor, daquele que eu sinto já a querer insinuar-se em mim e que eu tentava, de forma enganadora, em vão, manter distante. Tão ingénua eu era, sempre certa de tudo saber!

E eu, assim, rendida a ti, sem saber se é um fim ou um princípio. De novo os receios, as inseguranças. Ser menina questionando tudo, tocada por algo que vivia lá longe, do outro lado do horizonte, e que veio escondido em nevoeiros por entre as ondas do mar. Tinhas que ser tu. No meio da minha prosa, a tua poesia. Tu confundes-me e eu gosto de ti.

26 comentários

Comentar post