Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sílabas à Solta

POESIA | PROSA POÉTICA

Sílabas à Solta

POESIA | PROSA POÉTICA

Convergente

06.12.21 | Sandra

3215699_S.jpg

Sim, não és dono do tempo.

Nem das estruturas onde o mundo assenta,

Ou a poesia pousa.

Não és dono das certezas que passam apressadas no vento,

E que mudam mais rápido que as estações do ano.

Nem sequer és dono dos verbos que conjugas,

Da fé dos homens,

Ou das marés que cedem aos caprichos da lua.

Mas ah!,

Como és dono das longas e místicas brumas,

(Pelas quais eu me apaixonei) 

E da noite,

Esse mundo que se esbarra contra o oculto e o alegórico,

Impregnado de simbolismo e reencontro

Com o nosso lado mais humano, primitivo.

Sim, és dono da noite.

Compreendo-te bem!

É inevitável deixá-la à parte,

Quando tem tanto de eloquente!

Mas a noite sabe mais do que tu e eu!

Coisas maiores, mais importantes!

Verdades supremas!

A minha noite faz-se de nós, 

E hoje

Eu pinto-a com essas tuas brumas,

As tais que vieram contigo quando chegaste de longe.

Talvez um dia, numa noite de cerradas névoas,

Escrevas palavras bonitas sobre mim 

E lhe chames Prosa poética!

Ou então,

Talvez a noite se torne ciumenta 

E te guarde só para ela.

Faz sentido!

Tudo parece convergir a esse mundo escuro,

Que só se mostra quando o sol se esconde...

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Sandra

    10.12.21

    Ah sim, saúde, que o bicho maroto não desiste! mil beijinhos, bom fim de semana, mesmo se for frio 🌼
  • Comentar:

    Mais

    Comentar via SAPO Blogs

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.