Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sílabas à Solta

POESIA | PROSA POÉTICA

Sílabas à Solta

POESIA | PROSA POÉTICA

Chama-me Lisboa

05.10.22 | Sandra

 

px-downloadg22ea7160cba0f92ce3da2cd3d9782cee4549fe

Se me encontrares
Escreve o meu nome
Sobre todos os telhados da cidade
Que abrigam ninhos de andorinha
E sobre as águas-furtadas de janelas abertas à claridade do rio,
Onde o sol catita se senta a ouvir o alegre assobio de algum apaixonado que passa.
Escreve o meu nome por aí,
Ruas, ruelas, becos e pracetas,
Nas fontes rodeadas de turistas, no chafariz onde a concertina toca,
Ou no jardim público onde descansas de amores e desamores. Gosto de ti.
Escreve o meu nome por passeios antigos e esplanadas novas,
De onde se avista a ponte imensa que namora as margens enevoadas;
No elevador histórico, no castelo ou nas colinas, sete vezes as letras do meu nome,
Como gaivotas, varinas, traineiras ou fado.
Ou marcha popular que desfila em festa, quando o elétrico cruza os carris e o cheiro guloso da sardinha assada.
Se me encontrares escreve (em letras maiúsculas, se quiseres) o meu nome por todo o lado,
Para eu saber que me encontraste deveras, e que me reconheceste para além do sonho ou da imaginação. 

Por fim, enfim, chama-me Lisboa.

30 comentários

Comentar post

Pág. 2/2