Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sílabas à Solta

POESIA | PROSA POÉTICA

Sílabas à Solta

POESIA | PROSA POÉTICA

JARDIM AO CAMPO

05.07.21 | Sandra

px-downloadg895aff4a88afecec494fd4a4624ca80f1c2991

Havia um jardim. Nem grande, nem pequeno. Teu, de toda a gente. Plátanos e palmeiras recitavam sonetos à sequoia e ao cipreste, enquanto o sol se despia no céu acima das copas imóveis
das árvores-de-fogo. No coreto sem tempo brincavam as horas que aguardavam a minha confissão (a ti, se te encontrasse...). Pelos bancos de madeira sentava-se orgulhoso o nome do professor-poeta, dado ao jardim do bairro que assistiu a paradas. No parque infantil explodiam as gargalhadas e os risos do imaginário das crianças,"Sou o Super-homem!", e pombos voavam para longe. A dama de estátua em pedra olhava agitada a minha busca por ti! (Se ela pudesse ter-me dito onde estavas tu...). No lago deslizavam entre os patos todas as minhas perguntas, respostas não conseguidas, o falhar da surpresa que te quis fazer: "Estou aqui!". 

Há um jardim. Conheceu-te, já te viu passar, feito brumas, talvez. Deixei-o para trás no centro do bairro que é Campo... Mas trouxe dos canteiros a sensação de teres caminhado comigo ao longo daquelas minhas horas mistas de busca e passeio, enquanto o quiosque, vagabundo como tu, espreitava-me os passos. Valeu a pena. E vendo bem, é assim que tudo deve permanecer. A incógnita. Jardim da Parada, talvez? Sim. Isso mesmo...

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.