Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sílabas à Solta

POESIA | PROSA POÉTICA

Sílabas à Solta

POESIA | PROSA POÉTICA

Quando Praia

21.09.20 | Sandra

394503_M.jpg

Está frio. O mar apresenta uma tonalidade que faz lembrar o chumbo derretido. No areal de aspeto triste, vago, só algumas gaivotas meditam a tarde cinzenta.

Não estou lá mas sei. Sei que antes de caminhares pela praia desolada, estiveste ausente de ti, perdido nos teus pensamentos enquanto olhavas para as tuas árvores adormecidas, numa tentativa de te reencontrares. E agora caminhas pela grande solidão das horas, sozinho tu também, o cabelo que lembra a espuma branca deixada pelas ondas tristes, que mal se ouvem, os sapatos a marcarem a areia fria, dura, daquele lugar mais teu que de outro alguém.

Sentas-te cansado no tronco enorme que um dia foi árvore, e que há muitos anos foi trazido por alguma tempestade para repousar, enfim, deitado na tua praia, onde permaneces por muito tempo. Quero muito sentar-me ao teu lado, observar-te bem enquanto contas histórias de lugares que não conheço, de mundos que me são alheios. Quero olhar para ti até conseguir realmente ver e ser.

Um dia tomaremos juntos nesse lugar algum chá exótico levado num termo, ao som do breve vento que enrola as ondas e carrega aos ombros gaivotas felizes. Ou brindaremos no aconchego duma tarde a algo bom que nos liga, e que chegou para ficar no amanhã.

No areal gélido repousam arrepiados pequenos ramos, folhas ou conchas partidas. E tu és o calor em praia fria, que aquece a areia húmida da maré que foi, e o Eu que amanhã serei.

3 comentários

  • Imagem de perfil

    Sandra

    21.09.20

    É verdade querido Júlio. Há momentos em que a solidão olha-nos e acena. E fica conosco, mesmo se não queremos. Mas nem sempre é mau, depende do nosso estado de espírito no momento. Fiquei muito contente com as suas palavras, a sério. Hoje começa o outono. Desejo-lhe de coração um outono luminoso e colorido🙏🌷
  • Imagem de perfil

    júlio farinha

    21.09.20

    Ah o outono! Que nostagia! Há folha amadurecidas de amarelo que caem a nossos pés! E troncos, com diz, fruto de árvores mortas. Não escolheria o outono para viver com ele. Gosto mais da verde primavera e do soalheiro verão..Sou um rapaz que se dá bem com a luz e com o sol. Gosto da clorofila dos verdes e da vitamina D no meu corpo. Um abraço. E, se não achar inconveniente, um beijo saudoso de outros tempos.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.