Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sílabas à Solta

POESIA | PROSA POÉTICA

Sílabas à Solta

POESIA | PROSA POÉTICA

Não é Verão?

24.06.22 | Sandra

downloadfile-2

Se eu gosto de ti e tu de mim, porque não? É este o tempo e a praia sabe de nós.

Podemos sentar-se na areia macia ao toque, dourada e quente sob a luxúria do sol estival. Podemos nela fazer desenhos, construções (um palácio árabe?), escrever palavras cujos sentidos só nós conhecemos, e sermos Rosa dos ventos em pleno verão. Gaivota ao alto em mapa astral traçado por ti...

Podemos ouvir o mar cantar e, quando finalmente tivermos compreendido a letra, cantar juntamente com ele as canções que falam de sereias, de tesouros afundados e das cidades esquecidas do outro lado da linha do horizonte. Ou então podemos apenas entrar na água, sermos o próprio sol que se reflete nas nossas peles molhadas, ou as algas que ondulam ao sabor desinibido da maré. Dois corpos, um abraço...

Quando cansados, regressaremos à areia que tão bem nos conhece e ficaremos a aguardar sem pressa o silêncio e o crepúsculo, a noite tropical que vem de longe cheia de ousadia e promessas. Tenho uma ideia: que tal um piquenique sob a lua e as estrelas, quando os Deuses desenham nos céus constelações imensas e archotes acendem-se no areal, enquanto não muito longe dali uma guitarra toca?

Depois? Existem aquelas horas sem compromisso, de sabor exótico e cheiro a calor! São de todos e não são de ninguém... podemos ficar com elas para nós, afinal as nossas vidas estão sempre tão cheias de tanto! Que os cansaços e desafios fiquem esquecidos por algum tempo! Que a tua mão procure a minha, que a minha mão se feche na tua, e que a noite dure todo o tempo que nós quisermos! Não é verão afinal?

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.