Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sílabas à Solta

POESIA | PROSA POÉTICA

Sílabas à Solta

POESIA | PROSA POÉTICA

ROSA

03.10.21 | Sandra

20211002_195034.jpg

Apaixona-se a rosa desperta à primeira claridade da manhã.
Na luz esbranquiçada que escorre de um céu parado e baço,
brilham ainda as gotas que ficaram da última chuva caída da madrugada tímida.
Foi quando, sob um céu colossal,
a roseira fechou os olhos
e ansiosa, autorizou o deslizar vertiginoso da água até às suas raízes esculpidas na maciez atrevida da terra.

Saciou-se a rosa, mostrou-se, fez-se altivo soneto,
letras vadias a pulsarem nas formas insinuantes das suas pétalas, aguardando a manhã que haveria de soltar em vagaroso rodopio o seu aroma quente, sedutor.
Nessa espera, suspirou longamente o jardim, vezes sem conta, inquieto, siderado pelo amarelo desconcertante daquela rosa,
que já não sabe ser rosa sem o seu jardim.

Apaixonei-me também eu pelo seu encanto peculiar. Não a colho, mas seria a rosa que eu te daria a ti, que tanto me fazes sorrir com as tuas palavras sempre gentis e alegres,
como as ruas brancas floridas ao sol, onde escrevo o teu nome.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.