Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sílabas à Solta

Textos de minha autoria. Imagens retiradas da internet. Qualquer reprodução dos meus conteúdos deve ser sempre feita com referência à minha autoria.

Sílabas à Solta

Textos de minha autoria. Imagens retiradas da internet. Qualquer reprodução dos meus conteúdos deve ser sempre feita com referência à minha autoria.

PRIMAVERA ANTECIPADA

28.02.21, Sandra
Vem, vem na manhã dócil que chega, plena em luz envolvente, quente, que abraça a minha pele em calor e maciez, cetim. Vem tu, vem a mim, e abraça-me também. Senta-te comigo na terra aquecida pelo sol, onde jovem, a relva, perfuma de promessas, o ar. Vem sentar-te comigo no meio das horas inocentes sem dono, nem gentes, quando todo o calor do sol cai despido em nós. Olha ali, as árvores! Ramos lisos cobrem-se já de mil rebentos que despertam sedentos, como secretos (...)

CISNES

26.02.21, Sandra
Silenciosamente, deslizas em águas tépidas, serenas, provocando à tua passagem ondulações que refletem o brilho da hora parada da tarde num sentimento de poder, exuberância. E olho-te sempre, alma plena da tranquilidade que se espalha em mim, esquecida já eu do tempo, do espaço, de tanto. Oiço, perto, o farol que desperta entre neblinas finas que se formam na manhã estranhamente quente e baça. E juntamente com o arrastar dos gemidos do farol sobre o mar calado para lá do (...)

VIAGEM

24.02.21, Sandra
Um dia levarei para longe tudo o que está a mais. Levarei receios, cansaços, dúvidas, tudo será levado para longe, através de caminhos soltos e leves. Serão estados de alma entregues ao vento, como um balão solto da mão de uma criança risonha, para o alto, onde deslizam nuvens despreocupadas entre a luz do sol que tudo abarca. Ou para onde, na noite, estrelas distantes nos olham, serenas, no seu papel constante e sereno de vigilantes. Um dia tudo será solto longe, no ar, nalguma (...)

DIA DE CHUVA

20.02.21, Sandra
Fui acordada ainda cedo pelo som da chuva a bater nos estores. E hoje o dia pertence-lhe, a essa chuva que cai em desalinho sobre telhados desolados, relvados bem cuidados, carros adormecidos, praceta vazia. Sopra um vento forte. Algumas folhas do chão são apanhadas num divertido rodopio, que se eleva no ar, para logo de seguida serem atiradas de novo no chão. Ouve-se o vento a assobiar ao longe, um som constante, fino e agudo, destemido, enquanto corre veloz por entre os prédios de (...)

FILHO MEU

18.02.21, Sandra
Posso sentar-me ao teu lado? Gosto de te ver ao sol, corpo repousado nalgum banco de pedra ali colocado há já muito tempo. É lindo esse momento tão teu, em que te esqueces das horas e de tanto mais, para apreciares, descontraído, a tarde dourada que se mostra a ti em toda a sua beleza e força. Tu também és muito belo e forte. És uma dádiva que todos os dias dá um real sentido a quem sou. Ensinaste-me o que é realmente importante: esperar pacientemente; sonhar sempre, apesar de (...)

BALOUÇO

13.02.21, Sandra
Balouço-me nas horas gentis plenas, agrestes, que desconhecem Tempos e sentidos. Como cartas ao vento balanço em sorrisos abraços, promessas, palavras silvestres que, como ervas do campo, se balançam no sol adocicado da tarde transparente. Subo ao alto, destemida, atiro sonhos feitos de brisas e buscas de tanto; e ao descer, mergulho como gaivota na realidade fresca das palavras esvoaçantes que destapam a alma. E assim me elevo, disperso, bandeira de cores ao vento  vela (...)

OFERECE-ME UMA FLOR

10.02.21, Sandra
Oferece-me uma flor qualquer cor, tanto faz, que a flor sempre é capaz de me mimar por mais um dia. Oferece-me uma flor comprada numa loja, ou apanhada num jardim, escolhe-a tu, para mim! Grande ou pequena, toda a flor armazena mistério, melancolia... oferece-me uma flor e dá-ma, com amizade ou espécie vaga de amor! Será, assim, parte de ti, em dias esquecidos de mim em que o frio envolve, sem piedade, o calor.

DONO CERTO

05.02.21, Sandra
Costumas voar peregrino por descampados, onde a erva solta agarra geadas intemporais que o sol há-de capturar a si. Deixas cair de ti, cá em baixo, a tua vaga sombra, quando voas lá no alto, onde ventos frescos e sólidos sopram nomes que não conheces. É quando planas livre sem horas, nas horas azuis de um imenso céu, que te sentes maior que o tempo e o silêncio que ainda existe. Antes, vigiaste cumes desolados, muito longe daqui, quase sempre esquecidos pelo sol, tu e o teu negro (...)

BASTA-ME

02.02.21, Sandra
Aguardo-te em cada neblina que sobe, onde pinheiros e eucaliptos sopram murmúrios de musgo. Chegaste de longe, quando o Tempo era um só, e os dias sempre se uniam às noites na mudança das estações. Nesses tempos distantes, músicas ecoavam no firmamento e segredos dormiam nas nuvens da madrugada. No silêncio imenso, guerreiros e fadas coexistiam em horas que perduravam. Tu eras então como uma espécie de viajante. Conhecias todos os lugares, os mais óbvios e os mais escondidos (...)

TARDES TUAS

31.01.21, Sandra
Sei que a tarde te traz de volta a ti mesmo. Há muito tempo que é assim, não é? As tardes pertencem-te, mesmo quando se elevam enormes, tremendamente demoradas, arrastando-se mudas à tua frente! É nessa altura do dia que consegues respirar fundo as sedentas ideias que voam da tua alma como aves soltas ao vento, e que caminhas sobre singulares reflexões enquanto os teus pés te conduzem, em desespero, ao lago gelado perto da tua casa, de onde se avista lá ao fundo um mar escuro e (...)