Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sílabas à Solta

POESIA | PROSA POÉTICA

Sílabas à Solta

POESIA | PROSA POÉTICA

Talvez te Reencontres

27.05.22 | Sandra

38c34368088b237246b1521c61a409bc.jpg

Embala-te comigo no embalo das primeiras horas do dia, quando os nossos corpos dormitam ainda na claridade que acorda devagar.

Embala-te e aconchega-te em mim, só mais um pouco. Na preguiça das horas, repete baixinho aquelas palavras que ecoam desde a formação do universo e que são agora poema, serenata, ou a tela de um pintor que ama.

Fala-me sem pressa sobre passear no areal numa manhã de nevoeiro cerrado, ao som do farol, quando as gaivotas são donas da praia e da verdade; ou sobre como é estar abraçado a alguém em silêncio, a apreciar a hora lenta do crepúsculo, quando candeeiros de rua se acendem e promessas se cumprem. Fala-me do calor, e daquelas noites que nos transportam a algo muito maior que nós, humanos. E ama-me então, se puderes.

O mundo esqueceu-se facilmente do poder da palavra doce, do murmúrio que sabe a embalo, do aconchego entre corpos ou almas. Talvez o eterno movimento de expansão do universo, tão discutido entre cientistas, arraste consigo a capacidade de nos sentirmos bem com pequenas coisas, que nos pertencem por direito próprio desde o momento do nosso nascimento - porque nos são realmente importantes e necessárias.

Mas esquece, por agora. Simplesmente aconchega-te em mim e deixa a vida recomeçar neste verão que se aproxima. Talvez te reencontres e sejas feliz, na medida do possível. 

 

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.