Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sílabas à Solta

Textos de minha autoria. Imagens retiradas da internet. Qualquer reprodução dos meus conteúdos deve ser sempre feita com referência à minha autoria.

Sílabas à Solta

Textos de minha autoria. Imagens retiradas da internet. Qualquer reprodução dos meus conteúdos deve ser sempre feita com referência à minha autoria.

TARDES TUAS

31.01.21 | Sandra

2178822_M.jpg

Sei que a tarde te traz de volta a ti mesmo. Há muito tempo que é assim, não é? As tardes pertencem-te, mesmo quando se elevam enormes, tremendamente demoradas, arrastando-se mudas à tua frente!

É nessa altura do dia que consegues respirar fundo as sedentas ideias que voam da tua alma como aves soltas ao vento, e que caminhas sobre singulares reflexões enquanto os teus pés te conduzem, em desespero, ao lago gelado perto da tua casa, de onde se avista lá ao fundo um mar escuro e brilhante. Chumbo ao sol...

Às vezes ficas aí muito tempo, à beira desse lago de águas cerradas, imóveis, que esquecidas das loucuras do mundo, apenas te olham e escutam. Escondes as mãos nos bolsos quentes onde questões sem resposta se escondem há tanto tempo também, e saboreias a paisagem fria e adormecida nos minutos que te acompanham, cúmplices do teu próprio tempo.

Outras vezes, agarrando o apelo de um impulso mais forte, caminhas, sem saber que força te move, entre duros pinheiros e luz, até à praia. É quando te abandonas ao mistério, focado em novos sentimentos que te surpreendem, rendendo confissões a esse mar que tão bem te conhece, e a esse céu que sempre acolheu tantos dos teus sonhos, os que ficaram pelo caminho e os que nascem ainda, apesar de tudo.

O tempo bem te tinha avisado que há sentimentos que nos agarram, não para nos manter como seus, mas para nos moldar - e libertar de novo!

E tu, libertas-te sempre, aí, acolhido na imensidão de um mar solene e de um céu feito de tanto de ti, onde o silêncio se senta ao teu lado junto com velhas memórias e novos quereres. Libertas-te e deixas partir as tuas incertezas, receios, os teus "E se?". O mar tem esse efeito...

Sei que no momento certo, exatamente quando os céus se despem do dia e o mar se veste da noite, tu regressas à tua casa, alma limpa, corpo arrefecido pela friagem do crepúsculo e cansado pela caminhada feita, já pronto a entregares-te aos prazeres de um bom jantar e uma boa lareira. Para de novo acreditares em ti e nas tuas possibilidades inesperadas.

43 comentários

Comentar post

Pág. 1/2