Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sílabas à Solta

POESIA | PROSA POÉTICA

Sílabas à Solta

POESIA | PROSA POÉTICA

TELHADOS

05.04.21 | Sandra

4820579_S.jpg

Telhados que se deitam ao sol, abertos ao dia imenso que se estende junto ao rio. Pulsa neles o calor da nova estação, juntamente com o riso do vento que rodopia entre as telhas e os ninhos de andorinha disfarçados sob os beirais. Águas-furtadas deixam voar conversas alegres, e gargalhadas joviais saiem para a rua pelas janelas abertas de par em par. Arrulham os pombos indolentes nos parapeitos onde as roupas perfumadas e alegres abanam nos estendais. Em algumas portadas de madeira com tinta descascada resplandecem vasos de cravos e sardinheiras, cores que saltam da terra seca. Chegam aos telhados o eco dos passos das gentes que percorrem as vielas e o som de uma concertina presa nos dedos de alguém, que canta o amor. E nas sombras dos becos, gatos lambem as patas, de olhos gulosos presos nos pardais que sobem e descem aos telhados, despreocupados. Os ponteiros do relógio arrastam-se, cheios de esperanças, vendo lá ao fundo as embarcações que sulcam devagar as águas paradas do largo rio que namora o céu e a ponte. E o dia decide fazer uma pausa. Junta-se aos telhados quentes, e os dois, em silêncio, de mãos dadas, olham o mundo à sua frente onde a alegria da vida desfila, enquanto lá no alto desolado, um avião risca o azul prometedor do céu distante.

51 comentários

Comentar post

Pág. 1/3